III Congresso Mundial Virtual sobre Transdisciplinaridade 2020-2021 - Diálogo Interreligioso e a Contribuição da África - 3ª Semana REFICA, 5 e 7 de maio de 2021

  • Imprimir

IMG 6667A 3ª Semana da Rede de Fundações e Instituições de Investigação para a Promoção de uma Cultura de Paz em África (REFICA) realizada no âmbito do 3º Congresso Mundial Virtual sobre Transdisciplinaridade 2020-2021 decorreu nos dias 5 e 7 de maio de 2021.

A sessão online de quarta-feira de maio de 2021enfocou o diálogo inter-religioso e a contribuição da África para o processo.

Para responder a esta vasta questão, REFICA convidou os seguintes oradores:

05/05/2021 - Subtema: Diálogo inter-religioso, Contribuição da África

- Moderadora: Prof. Djénéba Traoré, Diretora Geral do IAO

Orador: Prof. Mathias Savadogo, Especialista em Islã contemporâneo, Professor Sênior do Departamento de História da Universidade Félix Houphouët-Boigny de Cocody-Abidjan, Costa do Marfim.

15h00 - 16h00 GMT

05/05/2021 - Subtema: O Diálogo inter-religioso é possível?

Moderadora: Prof. Djénéba Traoré

Oradores: Padre Eugène Goussikindey, membro da Companhia de Jesus. Sua pesquisa se concentra na revelação, cristologia, diálogo intercultural e paz. Ele lecionou na Escola Teológica Jesuíta em Nairobi (Hekima College) e em Abidjan (ITCJ).

e Prof. Paolo Orefice, Professor Emérito de Pedagogia Geral e Social, Diretor da Cátedra Transdisciplinar da UNESCO sobre Desenvolvimento Humano e Cultura de Paz da Universidade de Florença

16h30 - 18h30 GMT

07/05/2021 - Subtema: Diálogo inter-religioso, objetivos e desafios

Moderador: Padre Eugène Goussikindey

Oradores: Prof. Mathias Savadogo

e a Profa. Denise Houphouët-Boigny, Professora de Química Mineral (CAMES), Diretora do Ensino Superior da Costa do Marfim, Secretário-Geral do Centro de Pesquisa e Ação para a Paz (CERAP), uma instituição que dedica suas atividades de ensino e pesquisa à Gestão de Conflitos, Paz, Dignidade e Direitos Humanos, Governança, Membro da Académie des Sciences, des Arts, des Cultures d'Afrique et des Diasporas Africaines de Côte d'Ivoire.

15h00 - 18h00 GMT

A sessão contou com a presença da Presidente do III Congresso Mundial de Transdisciplinaridade, Professora Julieta Haidar, da Escola de Antropologia e História da Cidade do México.

A Prof. Djénéba Traoré, na qualidade de moderadora da sessão de 5 de maio, apresentou o tema com as seguintes reflexões:

Diz-se que é em tempos de crise que o pensamento crítico se desenvolve.

Como você sabe, a humanidade sempre conheceu crises.

As terríveis tragédias que conhecemos há mais de trinta anos em todo o mundo, e mais particularmente na África, são chamadas de conflitos armados, terrorismo, corrida pelo lucro, aumento da pobreza e das desigualdades, perda de valores éticos e deontológicos, soberexplotação das matérias-primas e recursos naturais, poluição e degradação ambiental e a atual pandemia do vírus SARS COV 2, mais conhecido como Covid-19.

Nesse contexto, qual pode ser a contribuição das diferentes religiões na África? Existe diálogo inter-religioso e, em caso afirmativo, como ele é articulado? Existe uma separação clara entre o poder religioso e o estado? Quais são as características das religiões monoteístas na África? Eles integraram certos elementos de nossas religiões e de nossas culturas e tradições africanas?

As três religiões monoteístas Judaísmo, Cristianismo e Islamismo foram transmitidas por Deus aos Profetas Moisés, Jesus Cristo e Muhammad a fim de erradicar o mal e criar um mundo melhor e mais justo através dos três livros sagrados: a Torá, a Bíblia e o Alcorão respectivamente.

Na verdade, essas três crenças religiosas perseguem o mesmo objetivo, como sublinha a parábola dos três anéis na peça "Nathan o Sábio"(1779) de Gotthold Ephraim Lessing.

Em resposta à pergunta do Sultão Saladino "Qual é a verdadeira religião?" Nathan conta a seguinte história: “Há muito tempo um homem mandou fazer para si um anel que tem o poder de despertar o amor de Deus e dos homens por aquele que o usa. Este anel é passado de geração em geração para o filho favorito até o dia em que vai para um pai que também está ligado a seus três filhos. Vendo sua morte iminente, ele convoca um ourives e diz a ele para fazer dois novos anéis. Em grande segredo, ele presenteia cada um de seus filhos com um anel. Com o pai morto, os três filhos lutam pela herança, cada um acreditando que tem o anel verdadeiro.

Incapazes de encontrar um acordo, os irmãos pedem a intervenção do juiz. Depois de ouvir os demandantes, o juiz convida os irmãos a trabalharem para o futuro, esforçando-se para tornar as gerações vindouras tão virtuosas quanto possível, dado o caráter do anel, a menos que o pai o tenha feito. Faça três novos anéis e o anel original não está perdido.

Nesta parábola, o pai pode ser visto como uma representação de Deus, os três filhos sendo as três religiões monoteístas, o Judaísmo, o Cristianismo e o Islã. Assim como o pai também ama seus três filhos, Deus também ama as três religiões enquanto elas discutem e cada uma afirma possuir a verdade em vez de imitar o amor do pai por elas. Partindo do pressuposto de que os três anéis são novos, o pai aparece como o representante de uma religião original ou ideal agora perdida, e os filhos como as três religiões reveladas, semelhantes à primeira verdade. Nesta última perspectiva, Deus recomenda que os homens se preocupem com a educação de seus povos, em vez de se envolverem incessantemente em contendas e guerras. "

 

Abaixo estão os links que dão acesso aos seguintes vídeos:

• Conferência Magistral e Mesa Redonda:  https://youtu.be/D7pPCH3lvtg

Simpósio : https://youtu.be/SO1-aGiBrqM