IAO-ZEI Estudos

No âmbito da organização de boletim informativo, IAO e ZEI publicam os resultados acadêmicos da sua cooperação na investigação. Estes documentos analisam obstáculos à "integração regional sustentável na África Ocidental e na Europa" e abrangem temas através das três áreas de investigação, "Integração Regional e processos de formulação de políticas", "Integração Económica e Comercio Regional" e "Reforço da capacidade institucional para a Integração Regional". 

 

Estudo IAO-ZEI No. 25 2015, Praia/Bonn

WAI ZEI Paper ECOPOST CoverCharles Edward Minega e Djeneba Traoré (eds.) Higher Education and Research Policy for Regional Integration

O documento em mãos faz um resumo dos pontos  focais da política da CEDEAO em matéria de ciência, tecnologia e inovação, bem como os resultados do IAO - CEDIR Workshop sobre Ensino Superior e Pesquisa de Políticas de Integração Regional na África Ocidental e além, que teve lugar na Cidade da Praia , Cabo Verde, nos  dias 29 e 30 de Setembro de 2014. As áreas temáticas do workshop foram: o desenvolvimento e a implementação de uma rede de colaboração académica regional;  O papel do ensino superior na resolução dos desafios Sociais, Culturais e Científicos decorrentes do processo de integração regional; Reforço da capacidade institucional para uma maior integração e melhoria da qualidade - A integração da integração regional através do ensino e da pesquisa em instituições de ensino superior; Aproveitamento do Ensino Superior  e Pesquisa de Políticas de Gestão do Conhecimento, Inovação e Tecnologia como motoristas do processo de integração regional;  E como podem as  Universidades criar sinergias para ajudar os países na melhor integração do crescimento da economia global baseada no conhecimento?

 

 

Estudo IAO-ZEI No. 24 2015, Praia/Bonn

WAI ZEI Paper ARISAS 1Ludger Kühnhardt e Djénéba Traoré (eds.): Brainstorming for a Pan-African Network in Regional Integration Studies

Apesar do crescimento económico , a importância política e o interesse académico em integração regional Africana, comunidades de pesquisas em todo o continente não são formalmente ou estruturalmente ligadas, o que impede o intercâmbio de cooperação eficiente e sinérgica. Neste contexto, os representantes académicos de todas as Comunidades Economicas Regionais (CERs) em Africa e na Europa reuniram-se na Praia nos dias 25 e 26 de Março de 2015, para dar início a um debate sobre a forma como essa lacuna pode ser preenchida. O IAO-ZEI paper faz um resume dos resultados deste intercâmbio frutífero, elaborando os possíveis benefícios, objectivos, prioridades e instrumentos de uma Rede Pan-Africana em Estudos de Integração Regional, bem como perspectivas comparativas da experiência europeia. Por último, mas não menos importante, fornece uma visão profunda da investigação do ensino superior em África, bem como possíveis estruturas de governo e as perspectivas para o estabelecimento de uma rede desse tipo.

  

Estudo IAO-ZEI No. 23 2015, Praia/Bonn

Front Cover portAblam Benjamin Akoutou, Rike Sohn, Matthias Vogl, Daniel Yeboah (eds.): Migrações e sociedade civil como motores do desenvolvimento - um contexto regional

No contexto da Declaração da UE-África sobre Migração e Mobilidade assinada na quarta cimeira UE-África em Abril de 2014, esta Antologia do IAO-ZEI resume as conclusões da 5ª Conferência IAO-ZEI que decorreu nos dias 8 e 9 de Setembro 2014 na Cidade da Praia, Cabo Verde, com o objectivo de encontrar alternativas e abordagens inovadoras para com as questões atuais da migração e da sociedade civil de ambas as regiões. Focalizando especificamente sobre as seguintes questões: Que sinergias podem ser encontradas entre a sociedade civil e parceiros externos para gerir eficazmente a migração inter e intra-regional? Como podem os recursos humanos e financeiros dos migrantes serem usados efectivamente para reforçar os esforços de comércio e integração regional? Como podem os domínios políticos estar alinhados para uma abordagem mais harmonizada com a migração que leva aspectos globais de desenvolvimento em consideração?

IAO-ZEI Paper No.23 também está disponível em  Inglês and Francês.

 

Estudo IAO-ZEI No. 22 2015, Praia/Bonn

WAI ZEI 22 image miniManuel Júnior Guilherme, Comparison of Regional Economic Communities in Africa – The Case of SADC

WAI-ZEI Paper No. 22 analisa o processo de integração regional na África Austral, que é um dos mais antigos exemplos de integração regional. A Comunidade de Desenvolvimento da Africa Austral (SADC), que foi fundada inicialmente como uma fortaleza contra o regime do Apartheid na África do Sul, tornou-se uma posição de destaque entre as chamadas Comunidades Económicas Regionais (CER) em África. Devido ao papel disputada do Zimbabwe na região, com a fraqueza das instituições regionais e aos membros de alguns países em mais de um REC, ainda depara com dificuldades em relação à aplicação prática das metas regionais. Respeitam particularmente à transição de uma Área de Livre Comércio para uma união aduaneira. Neste contexto, os membros das três RECs na África Austral e Oriental, SADC, COMESA e EAC, decidiram adoptar um chamado Acordo Tripartido, em 2011. Com este acordo, uma zona de comércio livre para mais de 600 milhões pessoas foi criado. Este passo foi visto como uma oportunidade para re-impulsionar o processo de integração regional na parte sul da África.

Estudo IAO-ZEI No. 21 2015, Praia/Bonn

WAI ZEI 21 image miniLudger Kühnhardt, World War I: Lessons Learned and Lessons Threatened

Prof. Dr. Ludger Kühnhardt lança um olhar sobre diferentes conceitos europeus de ordem estatal do "Sistema de Vestefaliano", para o "Equilíbrio de Poder", a segurança colectiva e "Grupo Regional", e de coloca-los em perspectiva histórica. Esses conceitos foram contestadas e outra vez por outras abordagens, como o nacionalismo, imperialismo e não menos importante totalitarismo. Particularmente, a abordagem imperial tem influenciado a política Africana dos Estados-nação europeus. No entanto, a Europa e África já entrou na era do " Grupo Regional ". A África esta a tentar seguir a abordagem europeia da integração regional e é apoiado pela Europa. Os principais componentes desta abordagem são a liberdade individual, da democracia, do Estado de direito, a cooperação e desenvolvimento económico. Enquanto a Europa e África passaram por um processo de aprendizagem após o fim do colonialismo, as lições que aprenderam ainda continuam ameaçadas do ponto de vista do autor com o conceito de zonas imperiais de influência, que é representada hoje em dia, principalmente por parte da Rússia.

Estudo IAO-ZEI No. 20 2015, Praia/Bonn

WAI ZEI 20 image miniSally Brammer / Maria de Fátima Fortes, Master in African Regional Integration

WAI-ZEI Paper No. 20 faz o resume dos resultados da terceira área de pesquisa no âmbito da cooperação IAO-ZEI .O objectivo desta área de pesquisa era instalar um novo programa de Mestrado em integração regional Africano, gerido pelo IAO em cooperação com a Universidade de Cabo Verde (UNI-CV). Os dois coordenadores do programa, Sally Brammer e Maria de Fátima Fortes, elaboraram um conceito de programa abrangente para este fim. Este programa contém uma análise de mercado neste campo, bem como uma visão geral das estruturas de enquadramento do programa e um currículo. O programa vai começar oficialmente no decurso de 2015.

Estudo IAO-ZEI No. 19 2014, Praia/Bonn

Cover WAI-ZEI-Paper-19 RoquefeuilQuentin de Roquefeuil: WAI-ZEI Livro Nr. 19: Qual o próximo passo, após os Acordos de Parceria Económica?

 Depois de mais de uma década de controvérsias, as negociações sobre o Acordo de Parceria Económica (APE) estão a chegar ao fim, com a região do Oeste Africano a ser um dos primeiros a concluir as negociações, com o resultado final à espera de aprovação política. Neste trabalho, Quentin de Roquefeuil olha para o processo de APE, na tentativa de delinear a dinâmica básica que cercam as negociações, com um foco particular em África Ocidental. Roquefeuil explica a lógica por trás do APE (o distanciamento das “chamadas preferências de Lomé”, em meados dos anos 1990), a estrutura básica de negociação e da dinâmica que se seguiram. Neste sentido, reflecte o futuro da agenda comercial da Europa de médio e longo prazo em relação ao continente Africano.


Estudo IAO-ZEI No. 18 2014, Praia/Bonn

Deckblatt Celine BasCéline Bas : Aspects fiscaux de la formulation de la politique énergétique européenne

Este artigo analisa a política energética europeia em termos de questões relacionadas aos aspectos fiscais e da emergência de uma política comum. Em primeiro lugar, o desenvolvimento de regras fiscais no sector da energia é essencialmente determinado pela competência limitada da Comunidade nos aspectos fiscais, devido à vontade dos Estados em manter seu domínio soberano, especialmente num setor estratégico como a energia. Nesse contexto, Céline Bas aborda em primeiro lugar as implicações da "integração negativa" sobre a realização do mercado interno da energia. Deste modo, a ênfase é colocada sobre a proibição de barreiras tarifárias, bem como as ajudas financeiras efectuadas pelos Estados. Numa segunda etapa, evoca os esforços de harmonização a nível europeu e demonstra suas inconsistências e limitações no contexto da criação do mercado comum europeu. O artigo conclui com uma avaliação crítica do desenvolvimento de uma verdadeira política comum de plano de energia.

Estudo IAO-ZEI No. 17 2014, Praia/Bonn

No âmbito da cooperação em investigação IAO-ZEI "Integração Regional Comparativa: A União Europeia e a África Ocidental", a segunda antologia abrangente faz um balanço da integração regional do Oeste Africano, 20 anos após o Tratado Revisto da CEDEAO.

Deckblatt allein FRZAblam Benjamin Akoutou, Rike Sohn, Matthias Vogl, Daniel Yeboah (eds.): Compreender a integração regional na África Ocidental Uma análise multitemática e comparativa

Em Julho de 1993, o processo de integração ocidental Africano foi dotado de um novo tratado, denominado de: "Tratado Revisto da CEDEAO". Contra o pano de fundo deste marco histórico, a conferência  a Meio percurso do projeto de cooperação IAO-ZEI, que ocorreu em Outubro de 2013 na cidade da Praia, aproveitou a oportunidade para fazer um balanço dos 20 anos. WAI-ZEI Paper No. 17 apresenta agora os resultados desta conferência e da primeira fase do projecto IAO-ZEI. O artigo encontra-se  publicado nas três línguas oficiais da CEDEAO, Inglês, Francês e Português. Os artigos analisam o processo de integração da África Ocidental em termos de sucessos, obstáculos e desafios para o futuro. De igual modo analizam o desenvolvimento institucional, bem como os campos da vida económica, jurídica, segurança e integração energética. Outra contribuição é dedicada à natureza multidimensional das relações entre a África Ocidental e Europa, a nível nacional e supranacional. Os autores, que são ao mesmo tempo colaboradores do IAO, destacam as realizações institucionais e políticas e o compromisso crescente de uma abordagem política regional na África Ocidental ao longo das duas últimas décadas. No entanto, expressam críticas sobre a falta de recursos em instituições e estruturas regionais, o que os impede de combinar as suas aspirações estratégicas. Além disso, os Estados-Membros são muitas vezes céticos a respeito da transferência de poderes e soberania para o nível regional. Neste contexto, existe uma lacuna entre os anúncios políticos e sua aplicação prática, o que precisa ser superado. IAO e ZEI irão continuar a procurar soluções para essas áreas problemáticas do ponto de vista académico, na segunda fase de seu projeto de cooperação conjunta.

WAI-ZEI Paper No. 17 também disponível em Francês e Inglês.

Estudo IAO-ZEI No. 16 2014, Praia/Bonn

Deckblatt NzueFelix Fofana N´Zué: Formulating a Regional Policy for Energy and Technology / Innovation: What Role for Taxation. Praia/Bonn 2014

IAO-ZEI Paper No. 16 Análise de um ponto de vista prático dos desafios na formulação de energia, a política de tecnologia e política de inovação regional. Dada a contradição entre os recursos disponíveis, a sua distribuição transfronteiriça e, ao mesmo tempo, a falta de acesso da população a essas fontes, o autor destaca a importância de uma política energética regional. No entanto, Fofana prevê obstáculos que residem no plano nacional devido à falta de reflexão sobre a abordagem e ainda a confusão de responsabilidades entre as instituições nacionais e regionais. Embora o Protocolo de Energia da CEDEAO forneça  a base jurídica e financeira desta política, envolvendo a política energética, a sua aplicação pode ser difícil na prática. Ao contrário da política energética, em que a tecnologia e a inovação encontra-se ainda na sua fase inicial de desenvolvimento a nível regional. A área política sofre com a falta de recursos financeiros e falta de estruturas que operam a nível político. Do ponto de vista do autor, a falta de consciência sobre a importância da pesquisa, tecnologia e inovação como uma "ferramenta de desenvolvimento" é uma razão para esse défice.

Estudo IAO-ZEI No. 15 2014, Praia/Bonn

WAI-ZEI Paper Kokil web 1 Beejaye Kokil: Cross-country Data Analysis of Services Trade – Data Availabili­ty and Harmonization in est Africa. Praia/Bonn 2014.

O artigo descreve a definição e conceitos de comércio de serviços e fornece uma visão geral das fontes estatísticas, métodos e estruturas de medir. Também captura a importância do setor para a região de África Ocidental, as tendências recentes no comércio de serviço regional e as perspectivas para o seu desenvolvimento, bem como os desafios de infra-estrutura relacionados. Destacando as limitações inerentes e escassez de dados na região, o texto também faz um apelo para o reforço da capacidade das instituições envolvidas na compilação e análise desses dados; melhorar a colaboração entre as várias instituições; utilizando metodologias e normas para a partilha de dados internacionais; bem como a utilização das mais recentes ferramentas para facilitar o processamento e divulgação de dados para uso na política, o setor privado e o público em geral.

Estudo IAO-ZEI No. 14 2014, Praia/Bonn

WAI-ZEI Paper Nitsch web 1 Volker Nitsch, International Trade in Services - Data, Issues, Findings, and Recommendations. Praia/Bonn 2014. 

 Este artigo revisa a recente pesquisa empírica sobre o comércio internacional de serviços numa perspectiva Europeia. A disponibilidade de dados relevantes são discutidas; fatos estilizados são apresentados; e questões metodológicas para a análise são destacadas. Usando micro-dados desagregados de países europeus, o artigo também oferece um aplicativo para o estudo do comércio de serviços, observando que as relações comerciais de serviços e comércios são surpreendentemente de curta duração.

Estudo IAO-ZEI No. 13 2014, Praia/Bonn

 WAI-ZEI Paper Joubert en and-fr web 1Jérôme Joubert, Negotiating service liberalization at regional level - The Case of West Africa / Négocier la libéralisation des services à un niveau régional - Application aux pays de l’Afrique de l’Ouest. Praia/Bonn 2014. 

 O documento propõe medidas para alcançar a liberalização preferencial do comércio regional de serviços dentro da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), analisando os interesses de um acordo, os potenciais benefícios para os países membros da CEDEAO e da zona, bem como as possíveis combinações deste esforço regional, com iniciativas em curso ou futuras a nível bilateral e multilateral.

Descrevendo as várias fases que podem levar à realização de tal acordo, discutem potenciais barreiras sobre o comércio de serviços, as possíveis formas de acordo, o escopo dos sectores em causa e os métodos de negociação que podem ser implantados. Destacando as necessidades para tornar a lista positiva de setores e lista negativa de compromissos, ele também fornece detalhes sobre os tipos de reciprocidade que devem ser mobilizados para a obtenção de concessões recíprocas.

Estudo IAO-ZEI No. 12 2014, Praia/Bonn

WAI-ZEI Paper Rabaud web 1Isabelle Rabaud, Measuring the costs and benefits of liberalization of trade in services: lessons for regional integration and sectoral policies. Praia/Bonn 2014. 

Este artigo baseia-se na modelagem de literatura sobre Equilíbrio Geral Computável (CGE) Modelagem de ganhos potenciais da liberalização para os países em desenvolvimento, particularmente economias da africa do norte, leste e Sul. Dado à importância de um quadro regulamentar e ao tamanho do setor de serviços, os potenciais substanciais de ganhos são esperados a partir de liberalização, a adesão à OMC, a conclusão de acordos bilaterais ou regionais. No entanto, parece que a atenção deve ser focada na especificidade de cada região e país, e que uma abordagem sectorial é necessário. Quanto à escolha entre a liberalização multilateral, bilateral ou regional, a configuração ideal depende dos serviços. As instituições são particularmente importantes para os serviços e as reformas devem ser globais e focado. As reformas internas são necessárias antes da liberalização do comércio.

Estudo IAO-ZEI No. 11 2014, Praia/Bonn

WAI-ZEI Paper King and Marks web 1Charlotte King and Jon Marks, European-West African Relations in the Field of Energy – Obstacles to a Sustainable Approach. Praia/Bonn 2014. 

O documento analisa as relações bi-regional em matéria de energia, considerando a dinâmica do comércio de energia como um conjunto de matérias-primas, bem como a dinâmica da política de energia como um bem estratégico. Especificamente, ele examina as estruturas dos hidrocarbonetos da África Ocidental e da Agência, ainda recordando a época colonial, enquanto explora novas estruturas globais de oferta e demanda, levando a uma mudança geral nos fluxos globais de energia. A pobreza de energia em África continua sendo percebido em termos de desenvolvimento, enquanto a segurança energética da Europa é concebida em termos geopolíticos e estratégicos. O documento identifica obstáculos e oportunidades para reinventar a relação bi-regional apto para a nova composição de energia dinâmica onde as duas regiões têm sistemas de energia interdependentes.


Estudo IAO-ZEI No. 10 2013, Praia/Bona

WAI-ZEI Paper No 10Ablam Benjamin Akoutou, Rike Sohn, Matthias Vogl, Daniel Yeboah, O Futuro da Parceria UE-África: Aprendendo a pensa sobre as oportunidades, Bonn/Prais 2013

Estudo IAO-ZEI Nº. 10 trata do futuro da parceria estratégia UE-África (JAES). Baseando-se nas discussões durante a Conferência a meio percurso da Cooperação IAO-ZEI em Outubro de 2013 na cidade da Praia. Os quatro coordenadores do projecto, na Praia e Bonn elaboraram uma breve análise, que ao mesmo tempo contém recomendações práticas. Tematicamente, o artigo está estruturado em torno dos temas que muito provavelmente formam o núcleo da futura estratégia UE-África. O foco geográfico dentro da África encontra-se na África Ocidental, enquanto o foco conceitual relata o valor acrescentado de melhoria das estruturas de pesquisa, ciência e educação. Com este trabalho, a Cooperação IAO-ZEI quer contribuir para o debate sobre um projeto mais eficaz de relações bi-regionais.

Estudo IAO - ZEI No. 9 2013, Praia/Bona

DP No  9 cover webDiery Seck, Proposed Architecture for an ECOWAS Common Currency Union

A ideia de criar uma zona monetária regional na Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), esteve na primeira linha da agenda da integração regional e atirou a atenção dos principais decisores políticos, investigadores, e outros actores do desenvolvimento durante três décadas. O autor deste Estudo IAO-ZEI, Diery Seck, Director do Centro de Investigação em Economia Política (CREPOL) em Dakar, Senegal, compara três opções concorrenciais para a introdução de uma moeda comum: a expansão da União Económica e Monetária Oeste Africana (UEMOA) aos outros países oeste africanos, a fusão da Zona Monetária da África Ocidental (WAMZ) com a UEMOA e a criação imediata de uma nova moeda.



Estudo IAO - ZEI No. 8 2013, Praia/Bona

DP 8 Leuffen Cover

Dirk Leuffen: European Union as a Blueprint? Nine hypotheses on Differentiated Integration in a Comparative Perspectives

Ao longo das últimas décadas, a União Europeia tinha vindo a ser um ponto de referência no tocante à investigação comparativa. Hoje, a literatura sobre a EU fornece, sem dúvida a mais rica cobertura no plano da temática de diferenciação. O autor, Dirk Leuffen, Senior Fellow do Instituto de África Ocidental (IAO) e professor de Ciências Políticas na Universidade de Constance, formula uma série de hipóteses para iniciar a investigação sobre a integração regional diferenciada. Ele destaca parâmetros diferentes, diversos autores e áreas temáticas da organização regional e formula nove hipóteses, que deverão sistematizar a reflexão sobre a integração diferenciadas nas organizações regionais. Dirk Leuffen é de opinião de que as causas da diferenciação encontram-se principalmente numa combinação de parâmetros institucionais e uma divergência de preferências dos Estados-membros. Por outro lado ele mostra que a diferenciação pode ser geralmente considerada como uma medida para ultrapassar um impasse no seio de um grupo heterogéneo dos Estados-membros de uma organização regional no contexto de decisão em unanimidade.

Estudo IAO - ZEI No. 7 2013, Praia/Bona

DP7 Eising coverRainer Eising: Theories of Policy Formulation

As Policy theories englobam propostas necessárias para poder determinar os problemas, explicar as mudanças de política ou prever os resultados dos processos políticos. A investigação estratégica é apreendida pelos resultados desses processos. O autor Rainer Eising, Senior Fellowdo Instituto de África Ocidental (IAO) e professor de Ciências Políticas na Universidade de Bochum, demonstra no seu texto várias teorias, que se devem ser tomasdas em consideração no desenvolvimento político. Seu objectivo baseia-se em quatro teorias que podem ser ferramentas de análise úteis para os investigadores nas suas análises dos processos políticos: Actor Centered Institutionalism (ACI), Punctuated Equilibrium Theory (PET), Multiple Stream Approach (MSA) e Advocacy Coalitions Framework (ACF). Reiner Eising realça estas quatro teorias que têm uma influência essencial de causalidade sobre os processos políticos e deverão ser integradas no estudo de processos políticos a fim de abordar as questões sobre a mudança política. Depois da discussão destas abordagens e teorias individuais, Eising fornece uma avaliação comparativa.

 

 

Estudo IAO - ZEI No. 6 2013, Praia/Bona

DP 6 titulo web

Rike Sohn e Ama Konadu Oppong (eds.): Comércio regional e integração monetária na África Ocidental e na Europa

Comércio regional e integração monetária são os elementos fundamentais no processo de integração regional no mundo. No entanto, os desafios são completamente diferentes: Embora os estados membros da União Europeia (UE) são económicamente e financeiramente unidos,lidam com os desiquilíbrios atuais e potenciais riscos de contágio resultantes da crise na zona do Euro. A Comunidade Económica dos Estados Oeste Africano (CEDEAO), por outro lado,luta com baixos níveis de comércio intra-regional, dependências externas e com o objetivo de estabelecer uma moeda comum à escala regional. 

Inspirados pelas experiências dos outros, a antologia IAO-ZEI combina as reflexões de investigadores bem conhecidos de ambas as regiões com referência as três das questões mais importantes a este respeito : Como podem os projetos de integração regional contribuir para o reforço do comércio regional e a integração na economia global? Quais são os efeitos da integração monetária e como as sinergias podem ser criadas? Até que ponto as experiências de outras regiões podem ser úteis nesse processo? 

Estudo IAO - ZEI No. 5 2013, Praia/Bona

WAI-ZEI Paper Assoua DeckblattKocra L. Assoua: The Nexus between Political Instability and Monetary Sustainability. The Case of a West African Monetary Union.

De acordo com teoria das « Optimum Currency Areas », a sustentabilidade de uma união monetaria depende principalmente dos critérios e políticas macroeconómicas. Na maioria das vezes, as variáveis políticas não são tidas em consideração. O autor, que é professor de estudos africanos na Universidade de Bayreuth, Alemanha, e Director do Instituto Farafina, põe em causa esta causalidade. Ele toma como exemplo os planos existentes para a criação de uma união monetário oeste africana. Kocra L. Assoua analisa os esforços e as diferentes concepções dos países da África ocidental para instaurar uma moeda comum até 2020. Na segunda parte, ele descreve os desafios da segurança e o círculo vicioso das incertezas políticas que a região enfrenta. O autor argumenta finalmente que a sustentabilidade de uma união monetária depende não somente de políticas macroeconómicas mas também da capacidade dos Estados membros da CEDEAO em lutar contra a instabilidade política.

Estudo IAO - ZEI No. 4 2013, Praia/Bona

Deckblatt Khnhardt kleinLudger Kühnhardt, África e Europa : Relações comparadas e o processo de integração regional conjunta

No quarto Estudo IAO-ZEI, Ludger Kühnhardt analisa a relação em transformação entre África e Europa num contexto histórico. A parceria entre a União Africana e a União Europeia marca o início de uma nova fase nas relações bi-continental. Claro está que elementos do passado das relações entre esses dois continentes vizinhos sobrevivem a qualquer mudança paradigmática. No entanto, é possível considerar a fase actual dessa verdadeira parceria como uma histórica oportunidade. O autor, Director do Centro de Investigação sobre a Integração Europeia (ZEI) em Bona e membro do Comité Científico do IAO na Praia propõe a distinção entre três fases de relações entre África e Europa para uma melhor compreensão das condições de integração regional reciproca: fase1: A ideia de Euro-áfrica durante a era colonial; fase 2: perspectiva de associação e a sua ideia de definição de desenvolvimento; fase 3: o início de uma verdadeira parceria e a procura da integração regional nas duas regiões.

 

 Estudo IAO - ZEI No. 3 2013, Praia/Bona

Deckblatt Traor kleinDjénéba Traoré, África ficará para trás em matéria de Educação para todos (EPT)?

No terceiro Estudo IAO – ZEI, a Directora Geral do IAO. Djénèba Traoré analisa o papel da “Educação para todos” em África. A EPT é um plano de acção global no campo da educação promovido pela UNESCO tendo seis objectivos a serem implementados até 2015 que vão desde cuidados na pequena infância à taxa de alfabetização. Aproximando o prazo de 2015, torna-se necessário fazer um balanço dos progressos realizados mas também e sobretudo de destacar as limitações que se impõem, nos dias de hoje ao alcance dos objectivos da Educação para todos (EPT) na África Subsariana, a parte do mundo mais afectada por este desafio que se tornou com o andar do tempos num desafio mundial e num direito humano. A EPT não é ainda vista como uma prioridade absoluta, uma necessidade urgente por um grande número de Estados africanos. Efectivamente, os custos engendrados pela sua implementação em termos de construção de infra-estruturas compra de equipamentos, de formação, de recrutamento de recursos humanos (professores, administrativos e técnicos) e de mudança dos paradigmas educativos são considerados como “comedores de orçamento” e travam consideravelmente as boas intenções. Porque, apesar das múltiplas acções de informação e de sensibilização e à vontade política demonstrada, vários Governos africanos passaram o princípio da educação inclusiva para o segundo plano. Ora, os desafios são enormes: a longo prazo a EPT contribuirá para a redução significativa da pobreza endémica que toca as populações que vivem maioritariamente nas zonas rurais para os tornar agentes da sua própria mudança. O desenvolvimento sustentável da África passará obrigatoriamente por uma nova forma de distribuição do saber. A EPT abre o acesso ao conhecimento para todos, à igualdade de oportunidades e à equidade de géneros. No presente artigo, a Directora Geral do IAO, Djénèba Traoré sob o prisma dos relatórios mundiais da UNESCO, de obras históricas e de trabalhos de investigação sobre as novas tecnologias, analisa alternadamente, por um lado, a situação da EPT na África subsariana e por outro lado as questões educativas ligadas às realidades políticas, socioeconómicas e culturais de um continente que não desiste nunca de procurar o seu caminho. Em 2015, será que a África estará no encontro com a EPT?


Estudo IAO - ZEI No. 2 2013, Praia/Bona

Denis Acclassato, Intra West-African Trade.

No segundo Estudo IAO-ZEI, publicado em fevereiro de 2013, Denis Acclassato avalia se as diversas políticas e reformas institucionais melhoraram o fluxo de comércio intracomunitário dentro da Comunidade Económica dos Estados Oeste Africano (CEDEAO), ou seja, o desvio de comércio e criação de novos fluxos de comércio. Além disso, o autor, Professor de Ciências Econômicas na Universidade de Abomey-Calavi em Benin, apresenta uma estratégia para a integração do mercado na União Europeia.

 







Estudo IAO - ZEI No. 1 2013, Praia/
Bona 

Deckblatt Omisakin kleinOlusegun A. Omisakin, Regional Institutions and Policy Formulation Processes. A Comparative Assessment of ECOWAS, the EU and ASEAN.

No primeiro Estudo de IAO-ZEI, publicado em Fevereiro de 2013, Olusegun A. Omisakin analisa as diferenças e as semelhanças nos processos de formulação de políticas da Comunidade Económica dos Estados Oeste Africano (CEDEAO), da União Europeia (UE) e da Associação das Nações do Sudeste (ASEAN), numa perspetiva comparada. O autor, Pesquisador e Professor na Universidade de Redentor e no Centro de Econometria e Pesquisa Aliada na Universidade de Ibadan na Nigéria, salienta as deficiências de formulação da política regional na África Ocidental e avalia se a UE ou a ASEAN fornecem oportunidades razoáveis de aprendizagem para a CEDEAO.

 

 

 


ZEI Estudo de discussão C 208/2011

UnbenanntCorsino Tolentino/Matthias Vogl (eds.): Sustainable Regional Integration in West Africa/ Intégration régionale durable en Afrique de l´Ouest/ Integração regional sustentavel na África Ocidental

O presente documento de reflexão trata dos obstáculos à integração regional sustentável na África Ocidental. O Livro foi publicado no âmbito de um projeto de cooperação entre o Centro de Estudos para a  Integração Europeia (ZEI) e o Instituto da África Ocidental (IAO), na Praia, Cabo Verde e foi financiado pelo Ministério Alemão da Educação e Pesquisa (BMBF). Os respetivos artigos tratam particularmente de três áreas a saber: segurança, economia e educação e transferência de conhecimentos no contexto da integração regional na África Ocidental. No decurso de um processo de discussão que corre entre os dois institutos, desde 2010, os investigadores de ambos os institutos identificaram esses três campos como os principais obstáculos para a integração sustentável da região Oeste Africana.

As contribuições mostram que, apesar de altas aspirações dos políticos, pouco progresso foi alcançado em relação à integração económica regional e ao intercâmbio regional de mercadorias, mesmo que esta tinha sido a principal motivação para a fundação da Comunidade Económica dos Estados Oeste Africano (CEDEAO).

Uma lacuna semelhante entre a retórica e a substância é identificada no domínio da política de segurança. Embora a África Ocidental se tenha tornado numa vanguarda para toda a África sobre o engajamento na segurança regional, existem ainda sérios problemas com a implementação de "Segurança Humana".

Finalmente, a educação e a transferência de conhecimentos são descritos não só como chaves para o desenvolvimento de África em geral, mas também como fatores cruciais para otimizar o processo de integração regional e propagar o conhecimento sobre este fenómeno a um público mais amplo. O documento de reflexão revela que há um enorme atraso em todos os três campos. É por isso que os dois institutos planeiam realizar uma análise aprofundada no âmbito de uma cooperação a longo prazo 2012-2015. Com base nos resultados obtidos através desta pesquisa, recomendações e abordagens para a solução dos problemas existentes, serão formulados e encaminhados para os decisores da África Ocidental.

DeckblattalsEinzelblattIAO/ZEI (eds.), Sustainable Regional Integration. A Reader, Praia 2011

No âmbito do projeto de cooperação conjunto financiado pelo Ministério Alemão da Educação e Pesquisa, do Centro de Estudos de Integração Europeia (ZEI) e do Instituto da África Ocidental (IAO), na Praia, compilaram um "Reader" conjunta de questões sobre desenvolvimento da integração regional sustentável. O "Reader" consiste numa coleção de importantes textos académicos sobre a integração regional. Neste contexto, um destaque especial foi dado aos conhecimentos teóricos, os desafios da integração económica regional e questões de segurança regional, o papel da educação e a construção do conhecimento para a integração regional. Os últimos três temas vão ser objeto de uma análise mais profunda nos próximos anos, quando os dois institutos irão realizar um projeto comum de investigação. O "Reader" apoia o trabalho de investigação do ZEI e do IAO, e facilitará a cidadãos interessados no processo de integração regional na África Ocidental, o acesso às informações na biblioteca do Instituto de África Ocidental, no futuro.

.

 

Copyright © 2012 WAI - West Africa Institute. All Rights Reserved - Designed and developed by: NOSi.